Páginas

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

HAPPY HALLOWEEN












Halloween - Dia das Bruxas

Introdução

O Halloween é uma festa comemorativa celebrada todo ano no dia 31 de outubro, véspera do dia de Todos os Santos. Ela é realizada em grande parte dos países ocidentais, porém é mais representativa nos Estados Unidos. Neste país, levada pelos imigrantes irlandeses, ela chegou em meados do século XIX.

História do Dia das Bruxas

A história desta data comemorativa tem mais de 2500 anos. Surgiu entre o povo celta, que acreditavam que no último dia do verão (31 de outubro), os espíritos saiam dos cemitérios para tomar posse dos corpos dos vivos. Para assustar estes fantasmas, os celtas colocavam, nas casas, objetos assustadores como, por exemplo, caveiras, ossos decorados, abóboras enfeitadas entre outros.
Por ser uma festa pagã foi condenada na Europa durante a Idade Média, quando passou a ser chamada de Dia das Bruxas. Aqueles que comemoravam esta data eram perseguidos e condenados à fogueira pela Inquisição.
Com o objetivo de diminuir as influências pagãs na Europa Medieval, a Igreja cristianizou a festa, criando o Dia de Finados (2 de novembro).

Símbolos e Tradições

Esta festa, por estar relacionada em sua origem à morte, resgata elementos e figuras assustadoras. São símbolos comuns desta festa: fantasmas, bruxas, zumbis, caveiras, monstros, gatos negros e até personagens como Drácula e Frankestein.
As crianças também participam desta festa. Com a ajuda dos pais, usam fantasias assustadoras e partem de porta em porta na vizinhança, onde soltam a frase “doçura ou travessura”. Felizes, terminam a noite do 31 de outubro, com sacos cheios de guloseimas, balas, chocolates e doces.

Halloween no Brasil

No Brasil a comemoração desta data é recente. Chegou ao nosso país através da grande influência da cultura americana, principalmente vinda pela televisão. Os cursos de língua inglesa também colaboram para a propagação da festa em território nacional, pois valorização e comemoram esta data com seus alunos: uma forma de vivenciar com os estudantes a cultura norte-americana.
Muitos brasileiros defendem que a data nada tem a ver com nossa cultura e, portanto, deveria ser deixada de lado. Argumentam que o Brasil tem um rico folclore que deveria ser mais valorizado.

Para tanto, foi criado pelo governo, em 2005, o Dia do Saci (comemorado também em 31 de outubro).

retirado de :http://www.suapesquisa.com/datascomemorativas/halloween.htm

Tipos de Vozes

Mulheres

* Sopranos: Soprano é o nome de registro para a voz estridente entre aqueles que formam a escala humana vocal. Serve para descrever tanto a voz e a pessoa que canta com essa voz. Usualmente, apenas adultos do sexo feminino são capazes de emitir confortavelmente notas na altura correspondente à faixa de um soprano, pois as pregas vocais dos homens engrossam após a puberdade, produzindo vozes mais graves




Exemplo de Soprano: Liv Kristine














*Meio-soprano (do italiano mezzosoprano) é a voz feminina intermediária entre o soprano e o contralto.




Exemplo: Simone Simons




















Contralto * : Esta é a voz mais grave das mulheres.




Exemplo: Cristina Scabbia


















Tenor: É chamado o cantor, cuja tessitura de tenor é localizado dentro das quatro vozes básicas, entre o alto eo baixo.
barítono de voz é o intermediário entre os homens.



Exemplo de Baritono: Ville Valo (H.I.M) & Rob Vitacca(Lacrimas Profundere),
É a voz mais grave dos homens.


















Gutural: O vocal gutural (do latim guttur, que significa garganta, goela), em música, é uma técnica vocal que produz um som rouco, grave ou profundo, que se obtém através do apoio diafragmático(comumente usado na maioria dos estilos de canto), que é uma técnica de respiração, juntamente com distorções no som produzido nas pregas vocais e laringe, que produz um som grave e rouco, com uma agressividade característica. O estilo é muito usado em bandas de metal de estilo death metal, metalcore, deathcore e thrash metal. Também é bastante comum no black metal, gothic metal e em algumas variantes do symphonic metal.
















A amplitude vocal que indica uma voz com sonoridades amplas, arredondadas sobre toda a extensão vocal.

Exemplo : Amy Lee


















Tambem se tem notado que Ville Valo têm amplitude vocal, onde se pode escutar 'Its all tears' da banda finlandesa HIM. Ville Valo passa facilmente de una nota grave a uma aguda.


quarta-feira, 26 de outubro de 2011

PRINCIPAIS VAMPIROS

PRINCIPAIS VAMPIROS



CAIM – Mitologia Judaica



A palavra Vampiro surgiu por volta do século XVIII. Tem origem no idioma sérvio como Vampir, e sua forma básica é invariável nos idiomas tcheco, russo, búlgaro e húngaro.
Lendas oriundas da Eslováquia e da Hungria, estabelecem que a alma de um suicida deixava seu sepulcro durante as noites para atacar os humanos, sugava o sangue e retornava como morcego para o túmulo, antes do nascer do sol. Assim, suas vítimas também tornavam-se vampiros após a morte. As civilizações da Assíria e Babilônia, também registram lendas sobre criaturas que sugavam sangue de seres humanos e animais de grande porte. Outros mitos pregam que as pessoas que morrem excomungadas, tornam-se mortos-vivos vagando pela noite e alimentando-se de sangue, até que os sacramentos da Igreja os libertem. Crianças não-batizadas, e o sétimo filho de um sétimo filho também se tornariam vampiros.
O lendário Livro de Nod
, originalmente concebido por White-Wolf para o RPG Vampiro – A Máscara, narra a origem dos vampiros. Além de A Crônica das Sombras revelando os ensinamentos ocultos de Caim; e A Crônica dos Segredos que revela os mistérios vampíricos.

A tradição judaico-cristã, prega a origem dos vampiros associada aos personagens bíblicos Caim e Abel. Como é descrito, Caim foi amaldiçoado por Deus pelo assassinato de seu irmão, Abel. Os Anjos do Criador foram até ele exigir que se redimisse. Orgulhoso, recusou-se e acatou as punições impostas pelos Anjos. A partir deste momento, Caim via-se condenado a solidão e vida eterna, temendo o fogo e a luz, longe do convívio dos mortais.
Caim foi anistiado por Deus após sofrer durante uma era inteira. De volta ao mundo terreno dos homens, fundou e fez-se rei da primeira cidade chamada Enoque. Mas ainda temia a luz, o fogo, e a solidão da eternidade.
Passado-se muitos anos de prosperidade em Enoque, Caim ainda sentia-se só devido a sua imortalidade. Abatido e desmotivado, acabou por cometer outro grande erro: gerou três filhos, que posteriormente geraram outros. Seguiram-se tempos de paz até que chegou o grande dilúvio e lavou toda a Terra. Na cidade de Enoque, sobreviveram apenas Caim, seus filhos, netos e uns poucos mortais. Caim recusou-se a reconstruir a cidade, pois considerava o dilúvio um castigo divino por ter subvertido as leis naturais e gerado seres amaldiçoados como ele. Assim, sua prole reergueu Enoque e assumiu o poder perante os mortais.
Após um período de paz e prosperidade, os sucessores de Caim passaram a travar batalhas entre si. A autoridade dos governantes foi revogada, e tanto os mortais como os membros da prole sentiam-se livres para fundar outras cidades e tornar seu próprio rei. Dessa forma, os imortais ascendentes de Caim, espalharam-se por toda a Terra.
Nesta versão da origem dos vampiros, vimos que tudo teve início com uma maldição divina atribuída a Caim, e depois herdada por sua prole. Porém, torna-se muito difícil estabelecer um limite entre os fatos e as lendas que circundam o mito vampírico, já que boa parte destas informações confunde-se entre os relatos e pesquisas históricas coerentes, com a ficção dos filmes e RPG’s.
Na lenda de Caim, a conotação do termo Vampiro ainda está ligada apenas ao sentido de imortalidade, solidão e aversão a luz. A relação estabelecida entre a longevidade e a sede pelo sangue (que caracteriza a imagem mais comum dos vampiros), deve-se possivelmente, a personagens lendários que viviam anos incalculáveis alimentando-se de sangue humano, após terem firmado supostos pactos com entidades malignas. Outras versões são encontradas em diferentes culturas, e todas combinam fatos históricos com a crendice regional. Portanto, a maior parte dos povos possui uma entidade sobrenatural que alimenta-se de sangue, imortal e considerada maldita. O mito do vampiro é um ponto comum entre várias civilizações desde a Antigüidade.
LILITH – “Mitologia Judaica”

De acordo com J. Gordon Melton, “Lilith, uma das mais famosas figuras do folclore hebreu, originou-se de um espírito maligno, tempestuoso e que mais tarde se identificaou com a noite. Fazia parte de um grupo de espíritos malignos demoníacos dos americanos que incluíam Lillu, Ardat Lili e Irdu Lili.” Segundo ele, Lilith apareceu também no Gilgamesh Epic babilônico (aproximadamente 2000 a. C.) como uma prostituta vampira que era incapaz de procriar e cujos seios estavam secos. Foi retratada como uma linda jovem com pés de coruja (indicativos de vida noctívaga) que fugiu de casa perto do Rio Eufrates e se estabelece no deserto. Lilith aparece no Antigo Testamento quando Isaías ao descrever a vingança de Deus, durante a qual a Terra foi transformada num deserto, proclamou isso como um sinal de desolação: “Lilith repousará lá e encontrará seu local de descanso” (Isaías 34:14) Lilith aparece em relatos da Torah assírio-babilônica e hebraica entre outros textos apócrifos.

Na versão jeovística (da tradição religiosa hebraica) para o Gênesis, enriquecida pelos testemunhos orais dos rabinos consta que Lilith foi criada com pó negro e excrementos, condenada por Jeová-Deus a ser inferior ao homem. Considerando-se que Adão vivia no Jardim do Éden no pleno equilíbrio de sua sagrada androginia (pois fora criado a imagem e semelhança do criador), compreende-se como o surgimento da primeira mulher fez nascer um distanciamento entre Deus e Homem. Num outro texto, um comentário bíblico do Beresit-Rabba (rabi Oshajjah) a primeira mulher é descrita cheia de saliva e sangue, o que teria desagradado a Adão, de modo que Jeová-Deus “tornou a criá-la uma segunda vez”. Lilith, então, veio ao mundo com os répteis e demônios feitos ao cair da noite do sexto dia da criação, uma sexta feira (segundo o Bereshit Rabba). Por isso, ela já fora criada como um demônio. (Lilith é representada como, rainha da Noite, mãe dos súcubos). Consumida a união carnal com Lilith, Adão teria mergulhado na angústia da paixão, vendo o seu distanciamento da divindade como um preço pelo êxtase orgasmatico que nunca sentira. Lilith foi citada pela edição hebraica e inglesa de “The Babylonian Talmud”, organizada pelo rabi Epstein e publicado pela Socino Press, de Londres, em 1978. Aqui, Lilith aparece um demônio noturno de longos > cabelos, que perturba os homens. Segundo a tradição talmúdica, Lilith é a “Rainha do Mal”, a Mãe dos Demônios e a Lua Negra. No Talmude, ela é descrita como a primeira mulher de Adão. Ela brigou com Adão, reivindicando igualdade em relação a seu marido, deixando-o “fervendo de cólera”. Lilith queria liberdade de agir, de escolher e decidir, queria os mesmos direitos do homem mas quando constatou que não poderia obter status igual, se rebelou e, decidida a não submeter-se a Adão e, a odia-lo como igual, resolveu abandona-lo. Segundo as versões aramaica e hebraica do Alfabeto de Ben Sirá (século 6 ou 7). Todas as vezes em que eles faziam sexo, Lilith mostrava-se inconformada em ter de ficar por baixo de Adão, suportando o peso de seu corpo. E indagava: “Por que devo deitar-me embaixo de ti? Por que devo abrir-me sob teu corpo? Por que ser dominada por ti? Contudo, eu também fui feita de pó e por isso sou tua igual.” Mas Adão se recusava a inverter as posições, consciente de que existia uma “ordem” que não podia ser transgredida. Lilith deve submeter-se a ele pois esta é a condição do equilíbrio preestabelecido. Vendo que o companheiro não atendia seus apelos, que não lhe daria a condição de igualdade, Lilith se revoltou, pronuncia nervosamente o nome de Deus, faz acusações a Adão e vai embora; é o momento em que o Sol se despede e a noite começa a descer o seu manto de escuridão soturna, tal como na ocasião em que Jeová-Deus fez vir ao mundo os demônios.

Adão sente a dor do abandono; entorpecido por um sono profundo, amedrontado pelas trevas da noite, ele sente o fim de todas as coisas boas. Desperto, Adão procura por Lilith e não a encontra: Procurei-a em meu leito, à noite, aquele que é o amor de minha alma; procurei e não a encontrei” (Cântico dos > Cânticos III, 1). Lilith partiu rumo ao mar vermelho (Diz-se que quando Adão insistiu em ficar por cima durante as relações, Lilith usou seus conhecimentos mágicos para voar até o Mar Vermelho). Lá onde habitam os demônios e espíritos malignos, segundo a tradição hebraica. É um lugar maldito, o que prova que Lilith se afirmou como um demônio, e é o seu caráter demoníaco que leva a mulher a contrariar o homem e o questionar em seu poder. Desde então, Lilith tornou-se a noiva de Samael, o senhor das forças do mal do SITRA ACHRA (aramaico, significa “outro lado”). Como conseqüência, deu à luz toda uma descendência demoníaca, conhecida como “Liliotes ou Linilins”, na prodigiosa proporção de cem por dia. [Alguns escritos contam que Adão queixou-se a Deus sobre a fuga de Lilith e, para compensar a tristeza de Adão, Deus resolveu criar Eva, moldada exatamente como as exigências da sociedade patriarcal. A mulher feita a partir de um fragmento de Adão. É o modelo feminino permitido ao ser humano pelo padrão ético judaico-cristão. A mulher submissa e voltada ao lar. Assim, enquanto Lilith é força destrutiva (o Talmude diz que ela foi criada com "imundície" e lodo), Eva é construtiva e Mãe de toda Humanidade (ela foi criada da carne e do sangue de Adão).

Jehová-Deus tenta salvar a situação, primeiro ordenando-lhe que retorne e, depois, enviou ao seu encalço uma guarnição de três anjos, Sanvi, Sansavi e Samangelaf, para tentar convencê-la; porém, uma vez mais e com grande fúria, ela se recusou a voltar. Lilith está irredutível e transformada. Ela desafiou o homem, profanou o nome do Pai e foi ter com as criaturas das trevas. Como poderia voltar ao seu esposo? Os anjos ainda ameaçaram: "Se desobedeces e não voltas, será a morte para ti." Lilith , entretanto, em sua sapiência demoníaca, sabe que seu destino foi estabelecido pelo próprio Jeová-Deus. Ela está identificada com o lado demoníaco e não é mais a mulher de Adão. (Uma outra versão conta que esses mesmos anjos, a teriam condenado a vagar pela terra para sempre). Acasalando-se com os diabos, Lilith traz ao mundo cem demônios por dia, os Lilim, que são citados inclusive na versão sacerdotal da Bíblia. Jeová-Deus, por seu lado, inicia uma incontrolável matança dessas criaturas, que, por vingança, são enfurecidas pela sua genitora. Está declarada a guerra ao Pai. Os homens, as crianças, os inválidos e os recém-casados, são as principais vítimas da vingança de Lilith. Ela cumpre a sua maligna sorte e não descansará assim tão cedo. [Uma outra versão diz que foram os anjos que mataram os filhos que tivera com Adão. Tão rude golpe transformou-a, e ela tentou matar os filhos de Adão com sua segunda esposa, Eva. Lilith Alegou ter poderes vampíricos sobre bebês, mas como os anjos a queriam impedir, fizeram-na prometer que, onde quer que visse seus nomes, ela não faria nenhum mal aos humanos. Então, como não podia vencê-los, ela fez um trato com eles: concordou em ficar afastada de quaisquer bebês protegidos por um amuleto que tivesse o nome dos três anjos. Não obstante, esse ódio contra Adão e contra sua nova (e segunda) mulher, Eva, resultou, para Lilith, no desabafo da sua fúria sobre os filhos deles e de todas as gerações subseqüentes].

A partir daí, Lilith assume plenamente sua natureza de demônio feminino, voltando-se contra todos os homens, de acordo com o folclore assírio, babilônico e hebraico. E são inúmeras as descrições que falam do pavor de suas investidas. Conta-se, por exemplo, que Lilith surpreendia os homens durante o sono e os envolvia com toda sua fúria sexual, aprisionando-os em sua lasciva demoníaca, causando-lhes orgasmos demolidores. Ela montava-lhes sobre o peito e, sufocando-os (pois se vingava por ter sido obrigada a ficar “por baixo” na relação com Adão, conduzia a penetração abrasante. Aqueles que resistiam e não morriam ficavam exangues e acabavam adoecendo. Por isso Lilith também está identificada com o tradicional vampiro. Seu destino era seduzir os homens, estrangular crianças e espalhar a morte.
Lilith Permaneceu como um item de tradição popular embora pouco tivesse sido escrito sobre ela quando da compilação do Talmude (século 6 a.C.) até o século 10. Sua biografia se expandiu em detalhes elaborados e muitas vezes contraditórios nos escritos dos antigos países hassídicos. Durante os primeiros séculos da era cristã, o mito de Lilith ficou bem estabelecido na comunidade judaica. Lilith aparece no Zohar, o livro do Esplendor, uma obra cabalística do século 13 que constitui o mais influente texto hassídico e no Talmud, o livro dos hebreus. No Zohar, Lilith era descrita como succubus, com emissões noturnas citadas como um sinal visível de sua presença. Os espíritos malignos que empesteavam a humanidade eram, acreditava-se, o produto de tais uniões. No Zohar Hadasch (seção Utro, pag. 20), está escrito que Samael – o tentador – junto com sua mulher Lilith, tramou a sedução do primeiro casal humano. Não foi grande o trabalho que Lilith teve para corromper a virtude de Adão, por ela maculada com seu beijo; o belo arcanjo Samael fez o mesmo para desonrar Eva: E essa foi a causa da mortalidade humana. O Talmude menciona que “Quando a serpente envolveu-se com Eva, atirou-lhe a mácula cuja infecção foi transmitida a todos os seus descendentes… (Shabbath, fol. 146, recto)”. Em outras partes, o demônio masculino leva o nome de Leviatã, e o feminino chama-se Heva. Essa Heva, ou Eva, teria representado o papel da esposa de Adão no éden durante muito tempo, antes que o Senhor retirasse do flanco de Adão a verdadeira Eva (primitivamente chamada de Aixha, depois de Hecah ou Chavah). Das relações entre Adão e a Heva-serpente, teriam nascido legiões de larvas, de súcubos e de espíritos semiconscientes (elementares). Os rabinos fazem de Leviatã uma espécie de ser andrógino infernal, cuja a encarnação macho (Samael) é a “serpente insinuante” e a incarnação fêmea (Lilith), é a “cobra tortuosa” (ver o Sepher Annudé-Schib-a, fol. 51 col. 3 e 4). Segundo o Sepher Emmeck-Ameleh, esses dois seres serão aniquilados no fim dos tempos: “Nos tempos que virão o Altíssimo (bendito seja!) decapitará o ímpio Samael, pois está escrito (Is. XVII, 1): ‘Nesse tempo Jeová com sua espada terrível visitará Leviatã, a serpente insinuante que é Samael e Leviatã, a cobra tortuosa que é Lilith’ (fol. 130, col. 1, cap.XI)”. Também segundo os rabinos, Lilith não é a única esposa de Samael; dão o nome de três outras: Aggarath, Nahemah e Mochlath. Mas das quatro demônias, só Lilith dividirá com o esposo a terrível punição, por tê-lo ajudado a seduzir Adão e Eva. Aggarath e Mochlath tem apenas um papel apagado, ao contrário do que acontece com as outras duas irmãs, Nahemah e Lilith.
No livro História da Magia, Eliphas Levi transcreve: “Há no inferno – dizem os cabalistas – duas rainhas dos vampiros, uma é Lilith, mãe dos abortos, a outra Nahema, a beleza fatal e assassina. Quando um homem é infiel à esposa que lhe foi destinada pelo céu, quando se entrega aos descaminhos de uma paixão estéril, Deus retoma a esposa legítima e santa e entrega-o aos beijos de Nehema. Essa rainha dos vampiros sabe aparecer com todos os encantos da virgindade e do amor; afasta o coração dos pais, leva-os a abandonar os deveres e os filhos; traz a viuvez aos homens casados, força os homens devotados a Deus ao casamento sacrílego. Quando usurpa o título de esposa, é fácil reconhece-la: no dia do casamento está calva, porque os cabelos das mulheres são o véu do pudor e está proibido para ela neste dia; depois do casamento finge desespero e desgosto pela existência, prega o suicídio e afinal abandona violentamente aquele que resistir, deixando-o marcado com uma estrela infernal entre os olhos. Nahema pode ser mãe, mas não cri os filhos; entrega-os a Lilith, sua funesta irmã, para que os devore.” (Sobre isso pode-se ver também o Dicionário Cabalístico de Rosenhoth e o tratado De Revolutionibus Animorum, 1.° e 3.° tomos da Kabala Denudata, 1684, 3 col. in-4.) Diz a lenda que depois que Adão e Eva foram expulsos do Jardim do Éden, Lilith e suas asseclas, todas na forma de incubus/succubus, os atacaram, fazendo assim com que Adão procriasse muitos espíritos impuros e Eva mais ainda. Segundo a tradição judaica, Lilith faz os homens terem poluções noturnas para gerar filhos demônios . Há um costume, ainda praticado em Jerusalém, de espantar esses filhos do corpo morto de seu pai, andando em círculo com o cadáver antes do sepultamento e atirando moedas em diferentes direções para distrair os filhos demônios.
Durante a idade média, as histórias sobre Lilith se multiplicaram. Já foi, por exemplo, identificada como uma das duas mulheres que foram ao Rei Salomão para que ele decidisse qual das duas era a mãe de uma criança que ambas reivindicavam. Em outros escritos, foi identificada como a rainha de Sabá. Segundo uma antiga tradição judaica, Lilith apareceu a Salomão disfarçada na rainha de Sabá, uma visitante real da Etiópia ou da Arábia à corte do rei Salomão (I Reis 10). Sabá era um país pacífico, cheio de ouro e prata, cujas plantas eram irrigadas pelos rios do Paraíso. Por ter ouvido falar relatos sobre o seu maravilhoso país, o Reino de Sabá, e sua rainha de uma ave, cuja linguagem compreendia, Salomão desejava muito conhecer a rainha e ela desejava conhecê-lo devido à sua reputação de sábio, e queria fazer-lhe perguntas sobre magia e feitiçaria. Mas ele suspeitou que algo estava errado e conseguiu ludibria-la: Quando chegou, encontrou-o sentado em uma casa de vidro, e pensando que fosse água, levantou a saia, revelando pernas bem cobertas de pêlos, o que indicava que ela uma feiticeira. Não obstante, Salomão desposou-a e preparou uma poção para eliminar o pêlo de suas pernas. Conta-se, que a casa real da Etiópia alegava ser descendente da união de Salomão com a Rainha de Sabá, e os judeus negros da Etiópia, os falashes, localizam suas origens nos israelitas que o rei Salomão enviou com a rainha para a Etiópia. Outro descendente dessa união foi Nabucodonosor, que se tornou rei da Babilônia. Uma tradição totalmente diferente nega que tenha sido uma rainha quem veio visitar Salomão, afirmando que foi o rei de Sabá.
Proteção conta Lilith: Lilith foi descrita como uma figura sedutora com longos cabelos, que voa como uma coruja noturna para atacar aqueles que dormem sozinhos, para roubar crianças e fazer mal a bebês recém-nascidos. Foi encontrada entre os elementos mais conservadores da comunidade judaica do século 19, uma forte crença na presença de Lilith, sendo que alguns deles podem ser visto ainda hoje. Lilith foi descrita como uma assassina de crianças para roubar suas almas. Ela atacava os bebês humanos, especialmente os nascidos de relações sexuais inadequadas. Se não consegue consumir crianças humanas ela come até mesmo sua própria prole demoníaca. Também é de opinião geral que foi Lilith quem provocou o ódio de Caim contra Abel, seu irmão, e levou-o a revoltar-se contra ele e matá-lo. Os homens eram alertados para não dormirem numa casa sozinhos para que Lilith não os surpreendesse. Em “O Livro das Bruxas”, Shahrukh Husain relembrou um antigo conto judeu “Lilith e a Folha de Capin”, de Jewish Folktales, que dizia que certa vez um judeu que foi seduzido por Lilith e ficou enfeitiçado por seus encantos. Mas ele estava muito perturbado com isso, e então foi ao Rabino Mordecai de Neschiz para pedir ajuda. Mas o rabino sabia por clarividência que o homem estava vindo, e avisou a todos os judeus da cidade para não deixa-lo entrar em suas casas ou dar-lhe lugar para dormir. Assim, quando o homem chegou não encontrou nenhum lugar para passar a noite e deitou-se num monte de feno num quintal. À meia-noite, Lilith apareceu e sussurrou-lhe: “Meu amor, saia desse feno e venha até aqui”. Curioso, o homem perguntou: “Por que eu deveria ir até você? Você sempre vem a mim.” Ela explicou-se dizendo: “Meu amor, nesse monte de feno há uma folha de capim que me causa alergia”. O homem perguntou: “Então por que você não me mostra? Eu a jogo fora e você pode vir.” Assim que Lilith a mostrou, o homem pegou a folha de capim e enrolou em seu pescoço, livrando-se para sempre do domínio dela. Lilith foi marcada como sendo especialmente odiosa para o acasalamento sexual normal dos indivíduos que ela atacava como succubi e incubi. Descarregava sua ira nas crianças humanas resultantes de tais acasalamentos ao sugar-lhes o sangue e estrangulando-as. Acrescentava, também, quaisquer complicações possíveis às mulheres que tentassem ter crianças – esterilidade, abortos etc. Por isso, Lilith passou a assemelhar-se a uma gama de seres vampíricos que se tornavam particularmente visíveis na hora do parto e cuja presença era usada para explicar problemas ou mortes inesperadas. Para combatê-los, os que acreditavam em Lilith desenvolveram rituais elaborados para bani-la de suas casas.
O exorcismo de Lilith e de quaisquer espíritos que a acompanhavam muitas vezes tomava a forma de um mandado de divórcio, expulsando-os nus noite adentro. Usam-se amuletos (em hebraico “kemea”) como proteção contra demônios, mau olhado, doença, combater hemorragia nasal ou para fazer uma mulher estéril conceber, tornar fácil o parto, garantir a felicidade de um recém nascido, obter sabedoria e outros fins. Esses amuletos são textos e desenhos geralmente escritos em pequenos pedaços de pergaminho e incluem sinais mágicos, permutações de letras e os nomes de Deus (Agla, Tetragramaton, etc.) ou de anjos como o de Rafael, Gabriel ou dos poderosos anjos Sanvi, Sansavi e Samangelaf que garantem proteção contra Lilith, que ataca as mulheres no parto e causa a morte dos infantes. O amuleto é usado em volta do pescoço ou às vezes pendurado numa parede de casa. Para que um amuleto seja considerado eficaz, tem que ser escrito por uma pessoa santa (segundo a tradição judaica), exímia na prática da Cabala. Se a ele se mostrar eficaz na cura de alguém em três ocasiões diferentes, será então, comprovadamente, considerado um amuleto. Embora, aparentemente, amuletos tenham sido amplamente usados no período talmúdico, Maimônides e outros rabinos de mente mais voltada para a filosofia, como Ezequiel Landau, opunham-se a eles, considerando-os superstições vazias. Seu uso, no entanto, foi apoiado pelos místicos e pela crença popular. Até mesmo os cristãos buscavam amuletos com os judeus na Idade Média. Em muitas partes do mundo atual há pessoas que ainda usam amuletos representando os três Anjos que foram enviados em busca de Lilith (ou Lilah, como também é chamada, o que talvez nos tenha dado Da-Lila, também uma sedutora e tentadora.) Esses talismãs são usados porque, embora Lilith se recusasse a voltar, prometeu a esses três Anjos que, se visse os seus nomes inscritos junto de um recém-nascido, ela deteria sua mão e o pouparia – o que vem a ser o propósito do ritual. Um talismã típico é um círculo mágico no qual as palavra “Eva e Adão” barram a entrada de Lilith, habitualmente escritas com carvão na parede do aposento onde a criança está e em cuja porta estão escritos os nomes dos três anjos. A alternativa: “Não deixem Lilith entrar aqui” costuma ser escrita na cabeceira da cama da mulher que espera um filho, usando-se tinta vermelha (cor da planta de Marte). Como proteção contra ela costumava-se pendurar amuletos e talismãs na parede e sobre a cama para mantê-la afastada ou pregar amuletos com as palavras “Adão e Eva excluindo Lilith” nas paredes da casa em que uma mulher se preparava para o nascimento do filho.
No passado, o processo de nascimento era cercado de práticas mágicas com a intenção de proteger a mãe e o filho das forças demoníacas. Lilith tem inveja da alegria da maternidade, pois foi apartada do marido (Adão) logo no início de seu casamento. Ela constitui assim uma ameaça ao embrião. Também se sussurravam sortilégios no ouvido das mulheres para facilitar o trabalho de parto. A porta do quarto das crianças tinha os nomes dos três anjos escritos sobre ela, e, às vezes, cercava-se o quarto com um círculo de carvões ardentes. Nas vésperas de Shabat e da lua nova, quando uma criança sorri é porque Lilith está brincando com ela. Para livrá-la de qualquer mal, deve-se bater de leve três vezes em seu nariz pronunciando-se uma fórmula de proteção contra Lilith. Também crianças que riam no sono, acreditava-se, estavam brincando com Lilith e daí o perigo de morrerem em suas mãos. Na Idade Média era considerado perigoso beber água nos solstícios e equinócios, porque nessa época o sangue menstrual de Lilith pingava, poluindo líquidos expostos. Parece que Lilith é mais bondosa com as meninas porque estas só podem correr o risco da hostilidade a partir dos vinte anos, enquanto os meninos estão sob a mira das suas perversidade e malevolências até o seu oitavo aniversário.
No livro sobre “Magia das velas”, encontramos uma versão moderna de um Talismã de Proteção Contra Lilith: “Se você quiser fazer um talismã de altar que o proteja de Lilith, e ele não precisa ficar restrito a esse uso, pode fazê-lo da seguinte maneira: pegue uma folha de papel forte, branco (o tamanho dependerá do espaço disponível). Desenhe nela um grande círculo preto, e dentro desse círculo desenhe outro menor. Divida esse círculo interior em três partes iguais de 120° e faça pequenas marcas nessas pontas. Una essas marcas para fazer um triângulo no centro do talismã. Nos três pontos em que o triângulo toca o círculo interior, entre o círculo interior e o exterior, escreva os três nomes angélicos – Sanvi, Sansavi e Semengalef – no sentido horário, um em cada ponta do triângulo. No meio do trecho, entre esses nomes, desenhe uma cruz. Coloque a vela para Lilith no centro do triângulo (Lilith é representada por uma vela branca que se tornou negativa com cera preta ou por uma vela preta), com uma vela para cada um dos três anjos do lado de fora do círculo exterior, , em oposição aos seus nomes (pode marcar as velas, se desejar) na ponta do triângulo. Só que não se deve deixar de observar infalivelmente neste ou em qualquer outro talismã, o seguinte: a linha que desenha o círculo exterior deve ser inteira, sem falhas, sem interrupções. Se necessário, desenhe-o de forma extraforte, para obter isso. Se o que está tentando é conter algo, não deve haver interrupções através das quais esse algo possa escapar ou engana-lo.”
Segundo a tradição judaica, as influencias astrológicas determinam a vida de uma pessoa, mas Israel é diretamente guiado por Deus. Porém, enquanto os cabalistas e muitos rabinos medievais acreditavam que os céus eram “o livro da vida” e a astrologia a “ciência suprema”, Maimônides repudiou tais idéias como superstições proibidas. No mapa astral, Lilith ou Lua Negra indica sedução e ânsia de liberdade. Influências que atingem nossas personalidades. A Lua exerce uma influência no inconsciente, nos sonhos, no sono, na memória, nas emoções e nas reações espontâneas. Segundo o astrólogo e tarórologo Hermínio Amorim, foi a partir de 1914, quando Lilith apareceu sob a influência de Plutão, que fez uma órbita longa até 1938, que as mulheres começaram os movimentos de libertação. Antes, Lilith aparecia sob influência do signo de câncer. Atualmente as mulheres vivem melhor sua sensualidade, sem culpa, sem medo de serem acusadas de bruxas, como antigamente. Os conteúdos psíquicos simbolizados pela Lilith são muitas vezes interpretados como raiz da libido. É claro que também são percebidos como > geradores de poderes paranormais, inclinação para bruxaria, mediunidade, > etc. De qualquer maneira, é uma potencialidade simbólica e inconsciente. Uma feminilidade que dura muito tempo foi oprimida e omitida (A Lua Negra. Na Idade Média foi personificada pela bruxa, contra a qual o homem, e principalmente a Igreja Católica, moveu uma das mais sangrentas perseguições de toda a sua história). De acordo com Hermínio, “Lilith foi feita por Deus, de barro, à noite, criada tão bonita e interessante que logo arranjou problemas com Adão”. Esse ponto teria sido retirado da Bíblia pela Inquisição. O astrólogo assinala que ali começou a eterna divergência entre o masculino e o feminino, pois Lilith não se conformou com a submissão ao homem

sábado, 22 de outubro de 2011

VAMPIROS

VAMPIROS

O vampiro

existindo tantas versões do seu mito quanto existem usos desse conceito. Um vampiro nunca poderá sair à luz do dia sem um anel de lápis-lazuli. Segundo a lenda, vampiro é um ente mitológico que se alimenta de sangue humano. Alguns pontos em comum são o fato de ele precisar de sangue (preferencialmente humano) para sobreviver, de se transformar em morcego e de poder ser morto por uma estaca no coração. Segundo a lenda, os vampiros podem controlar animais daninhos e noturnos, podem desaparecer numa névoa e possuem um poder de sedução muito forte. Formas de combatê-los incluiriam o uso de objetos com valor sagrado tais como hóstia consagrada, rosários, metais consagrados, alhos, água benta, etc.

Histórias sobre vampiros são bastante antigas e aparecem na mitologia de muitos países, principalmente dos da Europa e do Médio Oriente, na mitologia da Suméria e Mesopotâmia, onde surge como filho de Lilith, se confundindo com Incubus. Contudo as referências mais antigas a seres vampíricos vêm do Antigo Egipto, destacando-se nesta mitologia a sanguinária Sekhmet e o Khonsu do Pre-Dinástico, como é bem visível na tradição vampírica da Aset Ka.

OCULTISMO

O vampirismo é também uma vertente obscura e misteriosa dos estudos ocultistas, baseado em espiritualidade predatória. Os conceitos de vampirismo sob esta análise distinguem-se do vampirismo observado na ficção bem como os conceitos espalhados pela sua mitologia. É uma antiga tradição de mistérios, em que os seus defensores referem que data desde os tempos do Antigo Egipto. Grande parte do conhecimento sobre esta tradição, denominada por Asetianismo, são mantidos por uma antiga ordem de mistérios que dá pelo nome de Aset Ka, cuja influência na sociedade ocultista é reconhecida a nível internacional, e cuja sede em Portugal encontra-se localizada na cidade do Porto.

O livro central relativo à tradição vampírica é a Asetian Bible, a Bíblia Asetiana, cuja versão de acesso público foi publicada em 2007 pela Aset Ka e escrita por Luis Marques, um autor de origem Portuguesa reconhecido internacionalmente como especialista em simbologia antiga, mitologia e religião. O texto explora toda a componente filosófica e espiritual da tradição Asetiana, bem como as suas práticas metafísicas e rituais religiosos de origem egípcia, com grande influência do simbolismo milenar do Médio Oriente. Toda a cultura vampírica é assim analisada ao pormenor, bem como a evolução do arquétipo vampírico desde os tempos antigos até aos modernos e onde a influência do simbolismo vampírico é explorado na forma como influenciou a sociedade ao longo dos tempos.

______________



A palavra Vampiro surgiu por volta do século XVIII. Tem origem no idioma sérvio como Vampir, e sua forma básica é invariável nos idiomas tcheco, russo, búlgaro e húngaro.

Lendas oriundas da Eslováquia e da Hungria, estabelecem que a alma de um suicida deixava seu sepulcro durante as noites para atacar os humanos, sugava o sangue e retornava como morcego para o túmulo, antes do nascer do sol. Assim, suas vítimas também tornavam-se vampiros após a morte. As civilizações da Assíria e Babilônia, também registram lendas sobre criaturas que sugavam sangue de seres humanos e animais de grande porte. Outros mitos pregam que as pessoas que morrem excomungadas, tornam-se mortos-vivos vagando pela noite e alimentando-se de sangue, até que os sacramentos da Igreja os libertem. Crianças não-batizadas, e o sétimo filho de um sétimo filho também se tornariam vampiros.

O lendário Livro de Nod, originalmente concebido por White-Wolf para o RPG Vampiro – A Máscara, narra a origem dos vampiros. Além de A Crônica das Sombras revelando os ensinamentos ocultos de Caim; e A Crônica dos Segredos que revela os mistérios vampíricos.





A tradição judaico-cristã, prega a origem dos vampiros associada aos personagens bíblicos Caim e Abel. Como é descrito, Caim foi amaldiçoado por Deus pelo assassinato de seu irmão, Abel. Os Anjos do Criador foram até ele exigir que se redimisse. Orgulhoso, recusou-se e acatou as punições impostas pelos Anjos. A partir deste momento, Caim via-se condenado a solidão e vida eterna, temendo o fogo e a luz, longe do convívio dos mortais.

Caim foi anistiado por Deus após sofrer durante uma era inteira. De volta ao mundo terreno dos homens, fundou e fez-se rei da primeira cidade chamada Enoque. Mas ainda temia a luz, o fogo, e a solidão da eternidade.





Passado-se muitos anos de prosperidade em Enoque, Caim ainda sentia-se só devido a sua imortalidade. Abatido e desmotivado, acabou por cometer outro grande erro: gerou três filhos, que posteriormente geraram outros. Seguiram-se tempos de paz até que chegou o grande dilúvio e lavou toda a Terra. Na cidade de Enoque, sobreviveram apenas Caim, seus filhos, netos e uns poucos mortais. Caim recusou-se a reconstruir a cidade, pois considerava o dilúvio um castigo divino por ter subvertido as leis naturais e gerado seres amaldiçoados como ele. Assim, sua prole reergueu Enoque e assumiu o poder perante os mortais.

Após um período de paz e prosperidade, os sucessores de Caim passaram a travar batalhas entre si. A autoridade dos governantes foi revogada, e tanto os mortais como os membros da prole sentiam-se livres para fundar outras cidades e tornar seu próprio rei. Dessa forma, os imortais ascendentes de Caim, espalharam-se por toda a Terra.

Nesta versão da origem dos vampiros, vimos que tudo teve início com uma maldição divina atribuída a Caim, e depois herdada por sua prole. Porém, torna-se muito difícil estabelecer um limite entre os fatos e as lendas que circundam o mito vampírico, já que boa parte destas informações confunde-se entre os relatos e pesquisas históricas coerentes, com a ficção dos filmes e RPG’s.

Na lenda de Caim, a conotação do termo Vampiro ainda está ligada apenas ao sentido de imortalidade, solidão e aversão a luz. A relação estabelecida entre a longevidade e a sede pelo sangue (que caracteriza a imagem mais comum dos vampiros), deve-se possivelmente, a personagens lendários que viviam anos incalculáveis alimentando-se de sangue humano, após terem firmado supostos pactos com entidades malignas. Outras versões são encontradas em diferentes culturas, e todas combinam fatos históricos com a crendice regional. Portanto, a maior parte dos povos possui uma entidade sobrenatural que alimenta-se de sangue, imortal e considerada maldita. O mito do vampiro é um ponto comum entre várias civilizações desde a Antigüidade.

Uma das maiores referências do mito vampírico é o sanguinário Vlad Tepes (ou Vlad III), que existiu realmente no século XV na Transilvânia. Porém, ele governou apenas a Valáquia, que era uma região vizinha. Apesar da crueldade extrema com os inimigos, Vlad III não possuía nenhuma ligação com os vampiros. O termo Drácula (Dracul, originalmente significa Dragão) foi herdado de seu pai, Vlad II, que foi cavaleiro da Ordem do Dragão. Provavelmente, a confusão se deu através da semelhança entre os termos Drache, que era o título de nobreza atribuído à Vlad II, e Drac que significa Diabo.





A relação entre Vlad III e o mito vampírico foi dada pelo escritor Bram Stocker. O autor de Drácula inspirou-se (provavelmente) nas atrocidades cometidas por Vlad III, e as incorporou em seu personagem principal. A partir deste momento, Vampiro e Drácula tornaram-se praticamente sinônimos na literatura e nas crenças populares.

No Brasil também encontra-se mitos relacionados aos vampiros e outros seres semelhantes. Neste caso, os registros entrelaçam-se com o rico folclore das várias regiões do país. Desde os centros urbanos, até as áreas menos desenvolvidas do Brasil, é comum ouvir-se relatos dos ataques sanguinários de criaturas que perambulam pelas madrugadas. Na maioria das vezes, essas histórias assemelham-se muito com as lendas européias.

Na mitologia indígena existe o Cupendipe, que apesar de não possuir a sede de sangue caracterizada pelos vampiros, possui asas de morcego, sai de sua gruta apenas durante a noite e ataca as pessoas usando um machado.

No nordeste brasileiro conta-se a história do Encourado. Um homem de hábitos noturnos, que usa trajes de couro preto, exalando um odor de sangria. O Encourado ataca animais e seres humanos para sugar-lhes o sangue. Prefere as pessoas que não freqüentam igrejas. Porém, os habitantes das cidades por onde o Encourado passa, oferecem-lhe o sacrifício de criminosos, crianças ou animais de pequeno porte.

Em Manaus, há relatos da presença de uma vampira que atacava os moradores, sugando o sangue através da jugular e deixando marcas de dentes em sua vítimas, exatamente como é contada nos cinemas. Após os ataques, a vampira corria em direção a um rio e transformava-se em sereia, desaparecendo na água. A Vampira do Amazonas possui a capacidade de transmutar-se e força física descomunal.


POR AGENDA GOTICA


FIQUEM NAS SOMBRAS

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

SIGNO DOS VAMPIROS

O TEXTO HOROSCOPO DOS VAMPIROS FOI RETIRADO DO BLOG



O HOROSCOPO VAMPIRICO



O HOROSOCPO VAMPIRICO É O SIGNO DOS SERES DA NOITE,DAS TREVAS E DA SOLIDÃO.
O SIGNO DOS VAMPIROS É UM HOROSCOPO COM CARACTERISTICAS PROPRIAS DE CADA UM DESTES SERES NOTURNOS. A PARTIR DA DATA DE SEU NASCIMENTO DESCUBRA SUA PERSONALIDADE E SEUS PODERES.






Vladarian

21 de março - 20 de abril


Simboliza o começo dos Vampiros o nascimento a luta pela nova vida vampírica. Este vampiro é um guerreiro experiente e muitas vezes colérico, reage a todas as batalhas com o peito erguido, mesmo sabendo que as vezes pode perder. Um signo que não desiste enquanto não conquistar tudo. Quando este vampiro procura a sua amada, não há barreiras para impedi-lo de conquistá-la. Ama sempre como se fosse pela primeira vez. É loucamente apaixonado pela independência, mas dentro de certos limites, especialmente no que se refere a segurança afetiva. É possessivo e ciumento por amar todas as suas conquistas. É impulsivo e instintivo.



Vamptau

21 de abril - 20 de maio



Este vampiro é geralmente muito ligado a sua terra e ao seu lar. Leva as suas vitimas para sua casa e as convence a morar com ele. Seu objetivo é ter o seu espaço. É obstinado. Faz de tudo para conquistar os seus sonhos e vive a sua vida lutando para alcançar as suas necessidades. Este vampiro costuma sempre ficar aos redores do seu castelo, planejando e elaborando planos de conquistas. No amor ele é muito paciente. Vai cultivando aos poucos e sabe escolher muito bem os seus amores. Não tem uma vida de romances muitos agitados. Prefere alguém fixo e fiel. Admira todos os vampiros que se sintam bem no seu espaço.






Dragen

21 de maio - 20 de junho

O vampiro deste signo é um curioso. A sua inteligência distingue perfeitamente quem é seu amigo e quem pode prejudica-lo. Quando ele percebe a aproximação de um inimigo ele se afasta rapidamente. Este Vampiro não suporta o Tédio e procura sempre coisas inovadoras para se entreter. É um apaixonado por cultura e um gosto apurado em sua nobresa. Usa muito bem o meio de comunicação. Este vampiro conquista pelas palavras. Não há quem resista aos seus longos versos, prosas e seu jeito inocente.




Nosfercan

21 de junho - 22 de julho


O signo do Pai dos vampiros. Sempre procurando lugar para proteger e continuar a espécie.

Tem muita responsabilidade e usa muita disciplina para manter a família unida proporcionando sempre mais segurança para os vampiros.

É tímido e sonhador. Este vampiro se esconde nas sombras pois é muito quieto. ama em silêncio e é muito cuidadoso.







Dracleon

23 de julho - 22 de agosto



Força e desafio fazem deste signo um dos mais fortes dos vampiros. Ele simboliza a força e usa seu poder para governar e ser idolatrado por seus amigos e odiado por muitos vampiros e caçadores. Como amigo, este vampiro pode dar a melhor refeição e o melhor quarto porém, nunca esqueça de elogiar e beijar a sua mão pelos seus feitos.

No amor, sua honra faz com que seja fiel e trata sua amada com muito heroísmo. Ele é ardente e apaixonado.



Vladvirg

23 de agosto - 22 de setembro

O vampiro que vive em comunidade. Prático e organizado. Vive bem perto de muitos vampiros. É um ótimo observador e muito critico. É muito perfeccionista e vive em constantes pesquisas por isso, é um vampiro muito instável por estar sempre atento, fica como se fosse uma bomba prestes a explodir. Ele procura vampiros que precisam da sua ajuda pois adora ser útil.







Draclib

23 de setembro - 22 de outubro



Esta vampira gosta de manter um contato armonioso, por ser um signo mental suas características funcionam muito bem na sociedade. Ela sabe exatamente fazer uma boa festa e organizar reuniões pois conhece todos os tipos de vampiros e sabe exatamente o que eles precisam. Seu supremo interesse nas artes. Agrada a todos e se uma vampira como ela convidar um vampiro para uma festa, certamente ele aceitara pois ela tem muito bom gosto.

Este signo se equilibra perfeita-mente com qualquer ser. Seja ele humano, seja ele um vampiro ou vampira. Ela não tem preconceitos e aprecia todas as formas. Gosta muito de inovar e aprender com as amizades que faz. Ela movimenta a vida dos vampiros e está por dentro de toda a sociedade e seu conhecimento é invejável. Mas ela odeia ser julgada pelos seus atos ou pelo que ela é. Ela é uma vampira que se adapta a qualquer ligar e é um ser complementar para qualquer vampiro. Adora música. Conhece muito bem, as leis e é uma admirável diplomata. Seu porto forte é a cultura em geral. Odeia o tédio. Evita paixões desenfreadas por ser muito cuidadosa, mas ela protege todos que ama.




Vladscor

23 de outubro - 21 de novembro

É o vampiro mais sensual de todos.
Ele não aprecia apenas as aparências de um individuo, mas o seu todo. Por isso este vampiro direciona toda a sua atenção para o seu parceiro. Ele é muito fiel e gosta de agir em conjunto. Por causa dessa exagerada atenção, este vampiro não tolera a traição. Ele quer continuar a sua espécie e ter o seu próprio lugar. É um administrador nato e sempre sabe a resposta para todos os problemas. Age e confia na sua intuição animal. Sua relação com o sexo e a morte são aproximadas. Gosta de aproveitar completamente esta relação até o seu cume, pois é ai que se alcança a sua plena transformação. Este vampiro é um pesquisador e um historiador nato. Seus conhecimentos místicos se igualam ao de Rasputin. Usa a sua sabedoria e a psicologia de forma esplendida. O conhecimento é tudo para este signo pois é nele que encontra a plenitude. O sexo é para ele uma religião. O corpo e a alma são seu templo sagrado para conquistar o melhor prazer. Por se dedicar tanto a causa sexual, este vampiro geralmente é nocauteado por isso. Mas ele levanta e segue para a luta cada vez mais forte.






Norfersage

22 de novembro - 21 de dezembro



A energia espiritualista deste vampiro é tão forte que as vezes pode se esquecer das necessidades do seu próprio corpo. Amante da natureza e da liberdade. Ele teme relacionamentos que o prendam. Seu parceiro deve dar segurança para que ele se sinta livre.

Ele é otimista e adora conhecer novas amizades e andar em grupos. Ele é um conhecedor e adora desafios. Ele prefere queimar toda a sua energia no que gosta mesmo que seja apenas para não deixá-lo parado. As vezes o realismo do mundo trás a melancolia para o seu ser. É um vampiro batalhador e defende os seus amigos com muita garra. Este vampiro não aprecia injustiças e, por vezes, se torna um revolucionário. No amor este vampiro odeia a rotina. Não gosta de se prender e nem de ser preso. É um vampiro do estilo caixeiro viajante. Gosta de filosofar e sonhar com paixões desenfreadas.




Vladcap

22 de dezembro - 20 de janeiro

Este vampiro é o senhor dos grandes projetos. É devotado aos Vampiros. e o seu mundo interior. É dedicado e social, principalmente quando almeja realizar projetos futuros. Direciona o seu potencial a serviço dos vampiros. Fazendo sempre, muitas amizades.

Não é um vampiro cheio de emoções. Ele é metódico e isso o torna um pouco frio e distante. Consegue resistir facilmente as frustrações e se submete aos mais distintos lugares para realizar os seus projetos. Isso o faz um grande realizador de projetos.

Este vampiro é observador e é muito difícil de se aproximar por não é muito favorável a bajulação. Ele é fiel, sério e confiável. Normalmente estes vampiros trabalham na política.

É um historiador e acadêmico pois adora estudar sozinho. Como este vampiro tem boa formaçao ele prefere relações que ficam em um ambiente confiável.



Nosferaqua

21 de janeiro a 19 de fevereiro



Audacioso, procura chegar o mais rápido ao sucesso e suas conquistas. Ama a transformação e a mudança. Este vampiro está dotado de forte espírito. É um rebelde por natureza Luta sempre com as tradições existentes e vive de olhos abertos para o futuro. Como tem um grande senso de oportunidade, muitas vezes pode dar a impressão de ser interesseiro e desleal.

Este Vampiro escolhe ocupações relacionadas a política e a ciência. Completamente Independente ele Utiliza a sua força para conquistar os seus ideais. Costuma ser caprichoso e organizado. Aprecia ambientes com grandes espaços abertos, como o alto da montanha. Quanto mais perto do céu melhor. Adora Carros velozes.


VAMPSI
20 de fevereiro a 20 de março



Este vampiro é sem dúvida um sonhador e indeciso. Ele é basicamente um receptivo. Muito emotivo, tende a manter uma posição passiva diante da vida, mesmo sabendo o que se passa ao seu lado. Como não sabe enfrentar os momentos de dificuldade, tende a procurar soluções no misticismo ou rituais que produz. Você pode encontrar esses vampiros nos grandes estúdios de cinema. Geralmente eles são atores profissionais pois sabem interpretar muito bem. A realidade é demasiado violenta para este Vampiro, que se sente melhor em seu mundo de sonhos do que na luta cotidiana da vida real. É muito compreensivo para com seus amigos vampiros e tem uma enorme compaixão por suas amizades. Este vampiro adora morar perto da praia e de grandes lagos e rios. Ele simboliza o mistério, a eternidade e o infinito.


Personagens vampiros deste signo.

O Vampiro Angel
Do Seriado Angel

Nosferatu

Do Filme – Nosferatu de 1922

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Manifesto Gotico

Manifesto Gótico
Não basta vestir uma roupa preta e se dizer gótico,
é necessário entender o que significa gótico, e neste sentido não é
possível entender o gótico sem conhecimentos sobre História,
Literatura, Cinema, Música, e Sociologia.

Os góticos não são adeptos do consumismo ingénuo mas pessoas
sofisticadas e elegantes que possuem senso crítico e um visual
totalmente produzido.

Góticos são seres sociáveis que escolhem os seus amigos pelo
que eles são e não por aquilo que eles possuem, não medem as
pessoas dos pés à cabeça antes de se aproximarem para fazer
novas amizades.

Os góticos não pretendem transformar a sociedade
nem destrui-la com bombas, embora não estejam satisfeitos
com a ordem social estabelecida, querem o seu espaço no contexto.

Os góticos odeiam qualquer forma de discriminações,
aceitam as diferenças individuais com naturalidade e
recebem bem todos independentemente dos seus valores, crenças,
situação económica ou orientação sexual.

O movimento gótico caracteriza-se como um movimento
de inclusão social e não de exclusão, conheça pessoas góticas e
faça uma comparação, não fique surpreendido se for muito bem
recebido, afinal estará em contacto com pessoas inteligentes
e de mente aberta.

Góticos, não veneram o diabo nem cultivam o mal.

Os góticos não acreditam na violência e detestam os
ignorantes e idiotas que vivem destruindo o património público.

Os góticos não moram nos túmulos dos cemitérios, apenas
sentem-se fascinados com a beleza arquitectónica desses lugares.

No dia-a-dia são como as outras pessoas trabalham,
estudam e lutam para melhorar as suas condições de vida e
por uma sociedade mais justa.

Seja, como for entre nós, você será respeitado e tratado
como um ser humano de verdade.

+Características Psicológicas+

A depressão, a raiva e o desânimo são as principais causas
do distanciamento de nós, góticos, do mundo dos demais mortais.
Esse distanciamento na maioria das vezes torna-se num círculo
vicioso e isso faz-nos cair num profundo poço de melancolia.
Essa tristeza invade as nossas almas, tornando-nos criaturas
frias e distantes, muitas vezes estranhas para os outros.
Quando atingimos tal profundidade, é difícil voltar atrás e
adoptamos as trevas como uma opção de vida.

É nesse preciso momento de auto-consciência, que sabemos
exactamente naquilo em que nos tornámos e o que somos.
Essa é a fase de transição de uma pessoa normal, para um gótico,
o nosso momento de maior solidão.
Com o passar do tempo acabamos por abrir mão de vários
amigos e a solidão parece crescer cada vez mais, até acabarmos
por perceber que não estamos sós e que pelo mundo fora existem
pessoas na mesma situação que nós. É aí que somos percebidos,
quando paramos para perceber, é assim que surge, emergindo das
sombras, uma nova sociedade.

Solidão

Esse sim, é o nosso sentimento mais profundo e o
necessário para o cultivo da nossa melancolia eterna.
É o sentimento responsável pelos nossos momentos de
reflexão e sem ele a essência gótica não tem sentido algum.

+Arte+

Tal qual nos tempos idos, a cultura gótica sempre esteve
ligada com a arte. Não importando qual fosse essa, música,
poesia, pintura , escultura...

Como os povos antigos, como os poetas de outros séculos,
a cultura gótica permanece como um inconformismo explícito
ao convencionalismo da sociedade massificada do mundo.
Manifestando-se ora como um sentimento nostálgico, ora melancólico,
as vezes tenebroso e sempre celebrando um lado sombrio da vida e
da arte.

A música gótica, como em todas as outras formas contra
culturais, articula um não conformismo explícito aos poderes
estabelecidos. Opõe-se as actividades sexuais limitadas e às
tradicionais religiões estabelecidas. Sumos-sacerdotes, igrejas e
congregações foram substituídos por músicos de rock, bares e fãs.
A música celebra o lado negro e obscuro da vida e tem um estreito
fascínio com a morte. O seu som lento e penetrante é frequentemente
descrito como melancólico, tenebroso e mórbido.

As pessoas enfeitiçadas pela nova cultura gótica encontram no
vampiro a imagem isolada mais apropriada para a contra-cultura.
Homens e mulheres vestem-se de preto, perpetuando assim a imagem
vampírica. Vampiros, sangue, presas e morcegos encheram as páginas
das revistas góticas, podendo haver ou não uma co-existência com o
vampirismo.

Obs: Esse Manifesto Gotico não é de minha autoria.

sábado, 15 de outubro de 2011

Estudo teorico da morte


Desde os primórdios da Civilização, a morte é considerada um aspecto que fascina e, ao mesmo tempo, aterroriza a Humanidade. A morte e os supostos eventos que a sucedem são, historicamente, fonte de inspiração para doutrinas filosóficas e religiosas, bem como uma inesgotável fonte de temores, angústias e ansiedades para os seres humanos.
O interesse pelo tema da morte teve início com a leitura de algumas reportagens do LELU (Laboratório de Estudos e Intervenção sobre o Luto). O contato com estas reportagens, e a análise da morte como fenômeno psíquico, foram o ponto de partida deste trabalho. As matérias vieram de encontro aos anseios naturais sobre a morte e mostraram que, apesar da dimensão etérea que a morte toma em nível psíquico, existem profissionais e entidades empenhadas em estudá-la de forma científica, usando uma metodologia essencialmente psicológica.

Em função do contato inicial com o material do LELU e do interesse por ele despertado, a busca de outras pesquisas já realizados no mesmo campo foi um impulso natural, e acabou formando a base teórica que sustenta este trabalho.

A morte como fenômeno físico já foi exaustivamente estudada e continua sendo objeto de pesquisas, porém permanece um mistério impenetrável quando nos aventuramos no terreno do psiquismo.

Falar sobre morte, ao mesmo tempo que ajuda a elaborar a idéia da finitude humana, provoca um certo desconforto, pois damos de cara com essa mesma finitude, o inevitável, a certeza de que um dia a vida chega ao fim.

A certeza humana da morte aciona uma série de mecanismos psicológicos. E são esses mecanismos que instigam a nossa curiosidade científica. Em outras palavras, o foco de interesse seria como o homem lida com a morte; seus medos, suas angústias, suas defesas, suas atitudes diante da morte.

O objetivo da presente pesquisa é o aprofundamento teórico da questão da morte, enfocando a maneira pela qual o homem lida com este fenômeno humano inevitável, percebendo os mecanismos psicológicos que entram em ação quando o homem se encontra diante da morte.

O tema da morte não é de forma alguma uma discussão atual. Foram muitos os filósofos, historiadores, sociólogos, biólogos, antropólogos e psicólogos a discutir o assunto no decorrer da História. Isto porque a morte não faz parte de uma categoria específica; é uma questão que atravessa a história, é sobretudo uma questão essencialmente humana.

Dentro dos vários enfoques teóricos que possibilitam a reflexão sobre a morte, um deles nos interessa em especial: o enfoque psicanalítico. Foi esse enfoque que deu corpo às nossas indagações sobre a morte, seja através da análise pessoal, seja através da teoria propriamente dita.

A concepção que se tem sobre a morte e a atitude do homem diante dela, tende a se alterar de acordo com o contexto histórico e cultural. Sem dúvida o advento do capitalismo e seus tempos de crise, fez surgir uma nova visão sobre a morte, que segundo Torres, (1983), tem a ver com o surgimento do capital como força principal de produção. Neste sentido, o vivo pode tudo e o morto não pode nada, já que teve sua vida produtiva interrompida.

Diante desta crise, na qual os homens encontram-se completamente abandonados e despreparados, vemos este aprofundamento teórico como uma forma de dimensionar a morte, contribuindo para sua melhor compreensão e elaboração, instrumentalizando sobretudo, os profissionais da área de saúde, que trabalham lado a lado com este tema.

Este trabalho encontra-se estruturado em três partes principais. A primeira busca analisar o impacto da morte na sociedade através do tempo, mostrando como diferentes povos em diferentes épocas, lidavam com essa questão. A segunda parte fala sobre os sentimentos ambíguos gerados em nós, seres humanos, quando somos obrigados a encarar a nossa própria morte, bem como a morte do outro. A terceira e última parte fala do luto, em seus diversos contextos.

DADOS HISTÓRICOS

Possuímos uma herança cultural sobre a morte que define nossa visão de morte nos dias atuais. Segundo Kastenbaum e Aisenberg (1983), as interpretações atuais sobre a morte constituem parte da herança que as gerações anteriores, as antigas culturas nos legaram.

Faremos então, um pequeno passeio pela história para que possamos entender como foi construída a idéia da morte encontrada nos dias de hoje.

Arqueólogos e antropólogos, através de seus estudos, descobriram que o homem de Neanderthal já se preocupava com seus mortos:

“Não somente o homem de Neanderthal enterra seus mortos, mas às vezes os reúne (gruta das crianças, perto de Menton).” Morin (1997)

Ainda segundo Morin (1997) na pré-história, os mortos dos povos musterenses eram cobertos por pedras, principalmente sobre o rosto e a cabeça, tanto para proteger o cadáver dos animais, quanto para evitar que retornassem ao mundo dos vivos. Mais tarde, eram depositados alimentos e as armas do morto sobre a sepultura de pedras e o esqueleto era pintado com uma substância vermelha.

“O não abandono dos mortos implica a sobrevivência deles. Não existe relato de praticamente nenhum grupo arcaico que abandone seus mortos ou que os abandone sem ritos.” Morin (1997)

Ainda hoje, nos planaltos de Madagascar, durante toda a vida, os kiboris constróem uma casa de alvenaria, lugar onde seu corpo permanecerá após a morte.

Segundo Kastenbaum e Aisenberg (1983), os egípcios da Antigüidade, em sua sociedade bastante desenvolvida do ponto de vista intelectual e tecnológico, consideravam a morte como uma ocorrência dentro da esfera de ação. Eles possuíam um sistema que tinha como objetivo, ensinar cada indivíduo a pensar, sentir e agir em relação à morte.

Os autores seguem dizendo que os malaios, por viverem em um sistema comunitário intenso, apreciavam a morte de um componente, como uma perda do próprio grupo. Desta feita, um trabalho de lamentação coletiva diante da morte era necessário aos sobreviventes. Ademais, a morte era tida não como um evento súbito, mas sim como um processo a ser vivido por toda a comunidade.

Segundo Áries (1977), na Vulgata, o livro da Sabedoria, após a morte, o justo irá para o Paraíso. As versões nórdicas do livro da Sabedoria rejeitaram a idéia de Paraíso descritas no livro original pois, segundo os tradutores, os nórdicos não esperam as mesmas delícias que os orientais, após a morte. Isso porque os orientais descrevem que o Paraíso tem “a frescura da sombra”, enquanto os nórdicos preferem “o calor do sol”. Estas curiosidades nos mostram como o ser humano deseja, ao menos após a morte, obter o conforto que não conseguiu em vida.

Já o budismo, através da sua mitologia, busca afirmar a inevitabilidade da morte. A doutrina budista nos conta a “Parábola do Grão de Mostarda”: uma mulher com o filho morto nos braços, procura Buda e suplica que o faça reviver. Buda pede à mulher que consiga alguns grãos de mostarda para fazê-lo reviver. No entanto, a mulher deveria conseguir estes grãos em uma casa onde nunca houvesse ocorrido a morte de alguém. Obviamente esta casa não foi encontrada e a mulher compreendeu que teria que contar sempre com a morte.

Na mitologia hindu, a morte é encarada como uma válvula de escape para o controle demográfico. Quando a “Mãe-Terra”, torna-se sobrecarregada de pessoas vivas, ela apela ao deus Brahma que envia, então, a “mulher de vermelho” (que representa a morte na mitologia ocidental) para levar pessoas, aliviando assim, os recursos naturais e a sobrecarga populacional da “Mãe-Terra”.

Segundo Mircea Elíade (1987) os fino-úgricos (povos da região da Península de Kola e da Sibéria Ocidental), têm sua religiosidade profundamente vinculada ao xamanismo. Os mortos destes povos eram enterrados em covas familiares, onde os que morreram há mais tempo, recebiam os “recém mortos”. Assim, as famílias eram constituídas tanto pelos vivos quanto pelos mortos.

Esses exemplos nos trazem uma idéia de continuidade em relação à morte, não sendo a mesma, considerada como um fim em si. Havia uma certa tentativa de controle mágico sobre a morte, o que facilitava sua integração psicológica, não havendo portanto, uma cisão abrupta entre vida e morte. Isso sem dúvida aproximava o homem da morte com menos terror.

Apesar da familiaridade com a morte, os Antigos de Constantinopla mantinham os cemitérios afastados das cidades e das vilas. Os cultos e honrarias que prestavam aos mortos, tinham como objetivo mante-los afastados, de modo que não “voltassem” para perturbar os vivos.

Por outro lado, na Idade Média, os cemitérios cristãos localizavam-se no interior e ao redor das igrejas e a palavra cemitério significava também “lugar onde se deixa de enterrar”. Daí, eram tão comuns as valas cheias de ossadas sobrepostas e expostas ao redor das igrejas.

A Idade Média foi um momento de crise social intensa, que acabou por marcar uma mudança radical na maneira do homem lidar com a morte. Kastenbaum e Aisenberg (1983) nos relatam que a sociedade do século catorze foi assolada pela peste, pela fome, pelas cruzadas, pela inquisição; uma série de eventos provocadores da morte em massa. A total falta de controle sobre os eventos sociais, teve seu reflexo também na morte, que não podia mais ser controlada magicamente como em tempos anteriores. Ao contrário, a morte passou a viver lado a lado com o homem como uma constante ameaça a perseguir e pegar a todos de surpresa.

Esse descontrole, traz à consciência do homem desta época, o temor da morte. A partir daí, uma série de conteúdos negativos começam a ser associados à morte: conteúdos perversos, macabros, bem como torturas e flagelos passam a se relacionar com a morte, provocando um total estranhamento do homem diante deste evento tão perturbador. A morte se personifica como forma do homem tentar entender com quem está lidando, e uma série de imagens artísticas se consagram como verdadeiros símbolos da morte, atravessando o tempo até os dias de hoje.

Kübler-Ross (1997) descreve que são cada vez mais intensas e velozes as mudanças sociais, expressas pelos avanços tecnológicos. O homem tem se tornado cada vez mais individualista, preocupando-se menos com os problemas da comunidade. Essas mudanças tem seu impacto na maneira com a qual o homem lida com há morte nos dias atuais.

O homem da atualidade convive com a idéia de que uma bomba pode cair do céu a qualquer momento. Não é de se surpreender portanto que o homem, diante de tanto descontrole sobre a vida, tente se defender psiquicamente, de forma cada vez mais intensa contra a morte. "Diminuindo a cada dia sua capacidade de defesa física, atuam de várias maneiras suas defesas psicológicas" Kübler-Ross (1997)

Ao mesmo tempo, essas atrocidades seriam, segundo ponto de vista de Mannoni, (1995), verdadeiras pulsões de destruição; a dimensão visível da pulsão de morte.

Mannoni (1995), citando Áries, conta que a morte revelou sua correlação com a vida em diversos momentos históricos. As pessoas podiam escolher onde iriam morrer; longe ou perto de tais pessoas, em seu lugar de origem; deixando mensagens a seus descendentes.

A possibilidade de escolha deu lugar a uma crescente perda da dignidade ao morrer, como nos afirma Kübler-Ross (1997): "...já vão longe os dias em que era permitido a um homem morrer em paz e dignamente em seu próprio lar."

Para Mannoni, nos dias atuais, 70% dos pacientes morrem nos hospitais, enquanto no século passado, 90% morriam em casa, perto de seus familiares. Isto ocorre porque, nas sociedades ocidentais o moribundo é, geralmente, afastado de seu círculo familiar.

“O médico não aceita que seu paciente morra e, se entrar no campo em que se confessa a impotência médica, a tentação de chamar a ambulância (para se livrar do “caso”) virá antes da idéia de acompanhar o paciente em sua casa, até o fim da vida.” Mannoni (1995)

A morte natural deu lugar à morte monitorada e às tentativas de reanimação. Muitas vezes, o paciente nem é consultado quanto ao que deseja que se tente para aliviá-lo. A medicalização da morte e os cuidados paliativos, não raro, servem apenas para prolongar o sofrimento do paciente e de sua família. É muito importante que as equipes médicas aprendam a distinguir cuidados paliativos e conforto ao paciente que está morrendo, de um simples prolongamento da vida.

Outro aspecto comportamental do ser humano em relação à morte é que antigamente, preferia-se morrer lentamente, perto da família, onde o moribundo tinha a oportunidade de se despedir. Atualmente, não é raro se ouvir dizer que é preferível uma morte instantânea, que o longo sofrimento causado por uma doença.

Entretanto, segundo Kovács (1997) contrariando o senso comum, o tempo da doença, justamente ajuda a assimilar a idéia de morte, e a conseguir tomar decisões concretas, como a adoção dos filhos ou a resolução de desentendimentos.

Segundo Bromberg (1994) nossa cultura não incorpora a morte como parte da vida, mas sim como castigo ou punição.

O HOMEM DIANTE DA PRÓPRIA MORTE / O HOMEM DIANTE DA MORTE DO OUTRO

Desde muito cedo, ainda bebês, quando passamos a distinguir nosso próprio corpo do corpo da mãe, somos obrigados a aprender a nos separar de quem ou daquilo que amamos. A princípio, convivemos com separações temporárias, como por exemplo, a mudança de escola. Mas chega uma hora, que acontece a nossa primeira perda definitiva: alguém que nos é muito querido, um dia, se vai para sempre. É justamente esse “para sempre” que mais nos incomoda.

Porém, quanto mais conscientes estivermos de nossas mortes diárias, mais nos preparamos para o momento da grande perda de tudo que colecionamos e nutrimos durante a vida: desde toda a bagagem intelectual, todos os relacionamentos afetivos, até o corpo físico.

Com o distanciamento cada vez maior do homem em relação à morte, cria-se um tabu, como se fosse desaconselhável ou até mesmo proibido falar sobre este tema.

Segundo Bromberg (1994) “como aprendemos em nossa cultura, evitamos a dor, evitamos a perda e fugimos da morte, ou pensamos fugir dela...”

Esse quadro atual nos revela a dimensão da cisão que o homem tem feito entre vida e morte, tentando se afastar ao máximo da idéia da morte, considerando sempre que é o outro que vai morrer e não ele. Nos lançamos então à questão da angústia e do medo em relação à morte.

Uma das limitações básicas do homem é a limitação do tempo. Segundo Torres (1983): "...o tempo gera angústia, pois do ponto de vista temporal, o grande limitador chama-se morte..."

A Psicanálise Existencial, apontada por Torres (1983) revela a dimensão da angústia da morte: "A angústia mesma nos revela que a morte e o nada se opõe à tendência mais profunda e mais inevitável do nosso ser", que seria a afirmação do si mesmo.

Mannoni (1995) busca em Freud, palavras que falem da angústia do homem diante da morte: "... Freud a situa ou na reação a uma ameaça exterior, ou como na melancolia, ao desenrolar de um processo interno. Trata-se sempre, porém, de um processo que se passa entre o eu e a severidade do supereu."

Segundo Kastenbaum e Aisenberg (1983) o ser humano lida com duas concepções em relação à morte: a morte do outro, da qual todos nós temos consciência, embora esteja relacionada ao medo do abandono; e a concepção da própria morte, a consciência da finitude, na qual evitamos pensar pois, para isto, temos que encarar o desconhecido.

É a angústia gerada ao entrar em contato com a fatalidade da morte, que faz com que o ser humano mobilize-se a vencê-la, acionando para este fim, diversos mecanismos de defesa, expressos através de fantasias inconscientes sobre a morte. Muito comum é a fantasia de existir vida após a morte; de existir um mundo paradisíaco, regado pelo princípio do prazer e onde não existe sofrimento; de existir a possibilidade de volta ao útero materno, uma espécie de parto ao contrário, onde não existem desejos e necessidades. Ao contrário dessas fantasias prazerosas, existem aquelas que provocam temor. O indivíduo pode relacionar a morte com o inferno. São fantasias persecutórias que têm a ver com sentimentos de culpa e remorso. Além disso, existem identificações projetivas com figuras diabólicas, relacionando a morte com um ser aterrorizante, com face de caveira, interligado a pavores de aniquilamento, desintegração e dissolução.

O homem é o único animal que tem consciência de sua própria morte. Segundo Kovács (1998): "O medo é a resposta mais comum diante da morte. O medo de morrer é universal e atinge todos os seres humanos, independente da idade, sexo, nível sócio-econômico e credo religioso."

Para a Psicanálise Existencial enunciada por Torres, (1983): "... o medo da morte é o medo básico e ao mesmo tempo fonte de todas as nossas realizações: tudo aquilo que fazemos é para transcender a morte.”

Complementa esse pensamento afirmando que "todas as etapas do desenvolvimento são na verdade formas de protesto universal contra o acidente da morte."

Segundo Freud (1917) ninguém crê em sua própria morte. Inconscientemente, estamos convencidos de nossa própria imortalidade. “Nosso hábito é dar ênfase à causação fortuita da morte – acidente, doença, idade avançada; desta forma, traímos um esforço para reduzir a morte de uma necessidade para um fato fortuito.”



retirado de www.nanajadeofficial.blogspot.com


quinta-feira, 13 de outubro de 2011

POST SOBRE GÓTICOS É UM EXPLICITO ATAQUE DISCRIMINATORIO

O SEGUINTE TEXTO FOI RETIRADO DO BLOG  http://ronivonvieira.blogspot.com/  
ELE É ALTAMENTE OBJETIVO NO QUE DIZ RESPEITO A PRECONCEITO, FALTA DE INFORMAÇÃO E ATÉ MESMO PROPAGAÇÃO DO ODIO CONTR A NÓS. INFELIZMENTE MUITAS PESSOAS NOS RELACIONAM A SATANISMO E OUTROS MOVIMENTOS RELIGIOSOS DESTRUTIVOS. EU LHES DIGO SOU CRISTà MAS SOU GÓTICA. E DAI? VAI ENCARAR ? HA,HA,HA

 

OS GÓTICOS

Eles gostam de viver nas trevas da noite,se vestem de preto,gostam de Rock e namoram sobre as catacumbas dos cemitérios.Talvez você tenha imaginado que estou falando de satanistas ou adeptos do Baixo Espiritismo,mas não,estou falandodos Góticos,grupo de jovens que vivem nos cemitérios durante ás noites.
Os Góticos são pessoas deprimidas,na maioria jovens da classe média que se encontram em casas de shows e vão depois para os cemitérios cantar,namorar e até praticar sexo sobre os túmulos.São pessoas que amam a solidão,a morte e a depressão.Chegam até a violar os túmulos para roubarem ossos humanos e usam como objetos de decoração em seus quartos,por isso,têm um gosto mórbido.Essas pessoas são influenciadas por demônios em suas vidas,pois uma pessoa em sã consciência não praticaria jamais uma coisa dessas.Satanás está cada vez mais inovando suas táticas para iludir as pessoas e lavá-las para as trevas.
O Baixo Espiritismo se assemelha aos Góticos quando precisam praticar os seus rituais.Eles vão até os cemitérios e retiram as vísceras de defuntos ou os ossos para rasparem e fazerem o chamado pó-de-peba,espécie de pó mágico para purificar a vida do praticante.Só uma mente demoníaca para praticar um ritual macabro como estes.Sem falar que retirar restos mortais,violar túmulos,é uma prática ilegal,é um crime.
O jornal Estado de São Paulo publicou em 20/03/1998 as ´´façanhas``de um grupo de Góticos quando saíam do Cemitério do Araçá,na Avenida Doutor Arnaldo,zona oeste de São Paulo,levando 2 crânios dentro de uma mochila.Eram 4 adultos e 1 menor,todos foram detidos em flagrante e levados ao Distrito Policial de Perdizes.Além de autuados por violação á sepultura,os 4 maiores também foram enquadrados por corrupção de menor.Os 2 crimes são inafiançáveis,apenas o menor foi liberado.
O jornal ainda mostra uma grande verdade,que os jovens eram músicos.A própria mãe de um deles disse que o filho é músico,tentando explicar o fascínio do filho pelo movimento.Isso não quer dizer que ser músico é errado,eu quero dizer com isso,que certos jovens se tornam Góticos através da admiração por seus ídolos do Rock pesado e do Heavy Metal.A música não entra nessa questão,o que estou comentando são suas práticas.O Gótico te um fascínio pela morte,pelas trevas,pela depressão e por coisas más,muitos roqueiros são satanistas confessos.
AMANTES DAS TREVAS
O amor ás trevas dos Góticos é tão grande,que eles não suportam a luz do dia,sua vida ativa é pratiacamente durante á noite,durante o dia eles ficam dormindo até o sol se pôr.Parecem vampiros modernos,que para sairem á rua durante o dia,usam óculos para protegerem seus olhos que estão acostumados com as trevas.A Bíblia em Jo 3;19´´E a condenação é esta:Que a luz veio ao mundo,e os homens amaram mais as trevas do que a luz,porque as suas obras eram más``.Por isso,Deus mostra que estas pessoas precisam conhecê-lo para serem libertas do domínio do pecado e do inimigo.De dia eles andam na escuridão,como se fosse noite,é isso que diz Jó 5;14´´As trevas os cobrem de dia;ao meio dia andam como de noite,ás apalpadelas``.Leia também Jó 24;16,17 e 1Ts 5;5.
FASCÍNIO PELA MORTE
Os Góticos apresciam a morte como uma coisa boa para si,passam noites inteiras nos sepúlcros cometendo todo tipo de pecados.A Bíblia relata um caso semelhante que é a passagem do endemoninhado gadareno;´´E,saindo Ele do barco,lhe saiu logo ao seu encontro,do sepúlcros,um homem com espírito imundo;O qual tinha a sua morada nos sepúlcros,e nem ainda com cadeias o podia alguém prender;E andava sempre,de dia e de noite,clamando pelos montes,e pelos sepúlcros,e ferindo-se com pedras``:Mc 5;2,3,5.Como podemos ver,o Diabo levou aquele homem para viver nos sepúlcros,semelhantemente os Góticos são influenciados por esses mesmos demônios a irem passar as noites nos cemitérios.A possessão demoníaca é real hoje como foi naquela época de Jesus.Satanás está tão ativo hoje como naqueles dias.O erro que muitos cometem é pensar que o Diabo só domina as pessoas quando elas têm um ataque e caem no chão.Não,isso não é verdade,o Diabo também influencia as pessoas no seu di-a-dia sem precisar se manifestar explícitamente.
Aqueles que amam a morte odeiam á Deus por isso não têem vida em si mesmos.Em Provérbios o Senhor diz:´´Mas o que pecar contra Mim violenta a sua própria alma;todos os que me odeiam amam a morte``:Pv 8;36.

Fontes;Jornal O Estado de São Paulo,Bíblia Sagrada.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

EM BREVE PROMETO POSTAR DOWNLOADS DA TRILHA SONORA DOS SEGUINTES FILMES:

A RAINHA DOS CONDENADOS

UNDERWORLD : ANJOS DA NOITE



SE DESEJAREM OUTROS ALBUNS PEÇAM NOS COMENTARIOS.


BEIJOS TREVOSOS

A Rainha dos Condenados - Download

A Rainha dos Condenados

Título original: (Queen of the Damned)
Lançamento: 2002 (EUA)
Direção: Michael Rymer
Atores: Stuart Towsend, Marguerite Moreau, Aaliyah, Vincent Perez.
Duração: 101 min
Gênero: Ficção
A Rainha dos Condenados - Cartaz                                      DOWNLOAD
                                                                 


Sinopse          

O vampiro Lestat (Stuart Towsend) reinventou a si mesmo e agora é uma grande estrela do rock contemporâneo nos Estados Unidos. Sua música acaba despertando Akasha (Aaliyah), a rainha de todos os vampiros, cujo poder é tão grande que para combatê-la todos os vampiros da face da Terra precisarão se unir a fim de evitar sua própria extinção. Mas assim como a música de Lestat inspira Akasha, que deseja fazer dele seu rei, ela também faz com que Jesse (Marguerite Moreau), uma jovem fascinada pelo lado negro da vida, se apaixone por Lestat.